Sabedoria

Postado por Káris , 22 setembro 2012 12:01

"Wisdom is to the mind what health is to the body". 
- Francois De La Rochefoucauld

Solução sustentável!

Postado por Káris , 18 outubro 2011 09:11


Eu achei essa ideia tão excelente que não vou nem ficar com vergonha de rebloggar um post inteiro que acabei de ler no Coletivo Verde, site fundado pelo Guilherme Augusti Negri, que ensina sustentabilidade na prática. Tembém sou fã da coluna da Nadia Cozzi, já já trago as receitas dela pra cá!


Saquinhos de lixo feitos de jornal que substituem as sacolas plásticas

Recebi via e-mail a dica da Claudia Tombolato e Lú Cochrane ensinando como criar um saquinho de jornal para substituir o uso de sacolinhas plásticas para armazenamento de lixo.
A idéia original é da Juliana Valentini . Algumas dicas que ela dá de como evitar o uso do saquinho:
  • Melhor do que encher diversos saquinhos plásticos ao longo de uma semana você pode usar um único saco plástico dentro de uma lixeira grande na área de serviço e ir enchendo-o por alguns dias com os pequenos lixinhos da casa;
  • Se o lixo é limpo, como de escritório (papel, pedaços de durex, etc) pode ir direto para a lixeira sem proteção;
  • No caso dos lixinhos da pia e do banheiro (papel higiênico, fio dental, cotonetes), o melhor substituto da sacolinha é o saquinho de jornal. Aprenda como fazer abaixo
O saquinho de jornal tem inspiração no origami e cabe perfeitamente nos lixinhos convencionais, ele mantém a lixeira limpa, facilita na hora de retirar o lixo e é facílimo de fazer só leva 20 segundos para monta-lo.
Aprendendo a fazer
1) Tudo no origami começa com um quadrado, então faça uma dobra para marcar, no sentido vertical, a metade da página da direita e dobre a beirada dessa página para dentro até a marca. Você terá dobrado uma aba equivalente a um quarto da página da direita, e assim terá um quadrado.
2) Dobre a ponta inferior direita sobre a ponta superior esquerda, formando um triângulo, e mantenha sua base para baixo.
3) Dobre a ponta inferior direita do triângulo até a lateral esquerda.
4) Vire a dobradura “de barriga para baixo”, escondendo a aba que você acabou de dobrar.
5)Para fazer a boca do saquinho, pegue uma parte da ponta de cima do jornal e enfie para dentro da aba que você dobrou por último, fazendo-a desaparecer lá dentro.
6) Sobrará a ponta de cima que deve ser enfiada dentro da aba do outro lado, então vire a dobradura para o outro lado e repita a operação.
7) Se tudo deu certo, essa é a cara final da dobradura:
8)Abrindo a parte de cima, eis o saquinho!
9) É só encaixar dentro do seu cestinho e parar pra sempre de jogar mais plástico no lixo!
10 ) Pronto!
Uma alternativa criativa que você pode fazer em casa =)

Argumentos

Postado por Káris , 08 dezembro 2010 16:56

Carlos: é... o diabo na rua, no meio do redemoinho
mas, na boa, a vida é foda pra todo mundo. O único jeito de não sofrer é não querer nada
A partir do momento em que vc deseja, quer alguma alteração no estado de coisas, vc vai sofrer

Priscila: e aí?

Carlos: o q?

Priscila: vou sofrer pra me controlar pra não querer NADA
ou vou sofrer pra ter alguma coisa e se possível consegui-la
i choose the 2nd

Carlos: eu quero ver se tento a primeira
pq na segunda vc sempre vai querer outra coisa e outra coisa
na primeira, quando vc conseguir a coisa que quer, que é não querer nada, vc pode estabilizar

Priscila: hahahaa
faz sentido.... acho q eu vou ficar com querer menos

Carlos:
"Quer pouco: terás tudo. Quer nada: serás livre."

Longboard Girls Crew

Postado por Káris , 08 novembro 2010 12:38



Esse aqui definitivamente entrou pra lista do Anyofthesedays

Sol, sk8tão e ruas livres =D


via UpdateOrDie

A favor da publicidade infantil

Postado por Káris , 07 novembro 2010 12:26

_

Antes de ler minha opinião, conheça a campanha:



Se você já foi criança, deve se lembrar que o brinquedo mais legal é sempre o que o coleguinha está usando e é reação natural de uma criança querer ter aquilo (ou tomar) pra se divertir tanto quanto o outro.

Nessa fase os pais vêm ensinar a compartilhar, vêm mostrar que se divertir junto é melhor que ter para si e brincar sozinho.

A criança deve receber educação em relação ao dinheiro e ao consumo consciente da mesma forma que recebe sobre egoísmo e solidariedade, sobre fazer o bem, sobre todos os valores que vão construir um adulto com idéias e personalidade sólidas, bem estruturadas.

Satisfazer o desejo de uma criança quando nem mesmo os pais tem condição de pagar por aquilo, mostra uma fragilidade dos pais e guia a criança para o mesmo caminho.

Acabar com a publicidade infantil não vai resolver o problema do desejo, que como qualquer necessidade e instinto, precisa ser administrado. E-DU-CA-DO.

A gente não sabe como é crescer vendo que tudo passa cada vez mais rápido. Há sempre algo novo pra se conhecer e o que se tem, desatualiza rápido demais. Os valores pós modernos (supervalorização do novo, consumo descartável, satisfação imediata, relações voláteis, etc.) estão muito mais fortes e evidentes hoje do que 20 anos atrás, quando a nossa geração crescia.

Se você também não concorda com o caminho que a sociedade está tomando então vamos falar de contra cultura, de dar valor ao que realmente importa, sobre fortalecer o núcleo familiar pra que isso se reflita na projeção maior. Não se tem tudo o que se quer na vida. Não é o ter muitas coisas que faz alguém se sentir completo. Isto está sendo ensinado?

O êxito da publicidade depende da confiabilidade.

A publicidade infantil é feita para atrair a atenção da criança (música, cores e símbolos) e ao mesmo tempo a confiança dos pais no produto (dizeres e instruções). A publicidade já é feita direcionada para os pais, pois são eles que efetivam a compra do mais novo tênis Hot Wheels, do McLanche Feliz, do telefone celular das princesas da Disney.

O CONAR é o Código Nacional de Autorregulamentação Publicitária. Foi criado espontâneamente pelos publicitários para adotar normas éticas, iniciar o controle da atividade e servir de referência para que o Legislativo brasileiro crie norma específica sobre o tema. O que não foi feito até hoje.

Quando a lei for criada delimitando a atuação da propaganda aí sim o poder Judiciário irá fiscalizar, avaliar e aplicar as penalidades devidas à propaganda antiética em todas as suas formas.

O art. 37 do CONAR(na íntegra abaixo), fala amplamente sobre a publicidade infantil e defende a natureza inocente da criança. Se a propaganda está errada então as organizações da sociedade civil têm que denunciá-las uma a uma, exigir postura diferente do anunciante ao invés de querer VETAR a publicidade infantil.

Se você não sabe como denunciar alguma propaganda que julga imprópria, basta procurar o SINAPRO - Sindicato das Agências de Propaganda - do seu estado, ou a Associação Brasileira das Agências de Propaganda - ABAP. As propagandas que receberem denúncias serão avaliadas por uma comissão e se consideradas ofensivas ao que consta no CONAR, a veiculação das peças será suspensa.

Ainda não há legislação, mas existe o instrumento que deve ser usado.



VETAR NÃO É A SOLUÇÃO



Outra proposta inapropriada de controle: OAB se posiciona contra conselhos de comunicação


ÍNTEGRA DA NOVA SEÇÃO 11 DO CÓDIGO BRASILEIRO DE AUTO-REGULAMENTAÇÃO PUBLICITÁRIA

SEÇÃO 11 – CRIANÇAS E JOVENS

Artigo 37Os esforços de pais, educadores, autoridades e da comunidade devem encontrar na publicidade fator coadjuvante na formação de cidadãos responsáveis e consumidores conscientes. Diante de tal perspectiva, nenhum anúncio dirigirá apelo imperativo de consumo diretamente à criança. E mais:

I – Os anúncios deverão refletir cuidados especiais em relação à segurança e às boas maneiras e, ainda, abster-se de:

a) desmerecer valores sociais positivos, tais como, dentre outros, amizade, urbanidade, honestidade, justiça, generosidade e respeito a pessoas, animais e ao meio ambiente;
b) provocar deliberadamente qualquer tipo de discriminação, em particular daqueles que, por algum motivo, não sejam consumidores do produto;
c) associar crianças e adolescentes a situações incompatíveis com sua condição, sejam elas ilegais, perigosas ou socialmente condenáveis;
d) impor a noção de que o consumo do produto proporcione superioridade ou, na sua falta, a inferioridade;
e) provocar situações de constrangimento aos pais ou responsáveis, ou molestar terceiros, com o propósito de impingir o consumo;
f) empregar crianças e adolescentes como modelos para vocalizar apelo direto, recomendação ou sugestão de uso ou consumo, admitida, entretanto, a participação deles nas demonstrações pertinentes de serviço ou produto;
g) utilizar formato jornalístico, a fim de evitar que anúncio seja confundido com notícia;
h) apregoar que produto destinado ao consumo por crianças e adolescentes contenha características peculiares que, na verdade, são encontradas em todos os similares;
i) utilizar situações de pressão psicológica ou violência que sejam capazes de infundir medo.

II – Quando os produtos forem destinados ao consumo por crianças e adolescentes, seus anúncios deverão:

a) procurar contribuir para o desenvolvimento positivo das relações entre pais e filhos, alunos e professores, e demais relacionamentos que envolvam o público-alvo;
b) respeitar a dignidade, a ingenuidade, a credulidade, a inexperiência e o sentimento de lealdade do público-alvo;
c) dar atenção especial às características psicológicas do público-alvo, presumida sua menor capacidade de discernimento;
d) obedecer a cuidados tais que evitem eventuais distorções psicológicas nos modelos publicitários e no público-alvo;
e) abster-se de estimular comportamentos socialmente condenáveis.

Parágrafo 1º Crianças e adolescentes não deverão figurar como modelos publicitários em anúncio que promova o consumo de quaisquer bens e serviços incompatíveis com sua condição, tais como armas de fogo, bebidas alcoólicas, cigarros, fogos de artifício e loterias, e todos os demais igualmente afetados por restrição legal.

Parágrafo 2º O planejamento de mídia dos anúncios de produtos de que trata o inciso II levará em conta que crianças e adolescentes têm sua atenção especialmente despertada para eles. Assim, tais anúncios refletirão as restrições técnica e eticamente recomendáveis, e adotar-se-á a interpretação mais restritiva para todas as normas aqui dispostas.

Nota: Nesta Seção foram adotados os parâmetros definidos no art. 2º do Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069/90): “Considera-se criança, para os efeitos desta Lei, a pessoa até doze anos de idade incompletos, e adolescente aquela entre doze e dezoito anos de idade”.

Trecho retirado 7/11/2010 de:http://www.aba.com.br/doc/conar.pdf

Em comum

Postado por Káris , 01 novembro 2010 10:09

Fui surpreendida por um bom fim de noite ontem =)

Aprendi que devemos sempre deixar portas abertas, entrar e sair em paz de qualquer lugar, por isso tenho algum contato com todos profissionais com quem já trabalhei. Amigos, colegas e aqueles que nem chegaram a isso.

De um desses colega de profissão, com quem trabalhei por umas 2 semanas, e apenas por telefone - enquanto eu saía da agência ele já trabalhava antes de começar - eu tenho o msn, twitter e fb. Ele é um bom redator e frequentemente tem alguma coisa interessante pra dizer.

Ontem eu roubei um título dele e logo em seguida fui flagrada no msn! Aí fui "pedir" autorização.. *cara de pau* =D

De uma pick up line descomprometida a conversa rolou solta até meia noite. Ele mochilou a América do Sul, aventura que eu e a Elisa sonhamos em fazer, tem fotos fantásticas e histórias que eu quero ver pra crer... any of these days...

Música pra correr I

Postado por Káris , 31 maio 2010 10:26

Semana passada completei o 1º mês na academia.
Uma coisa é certa: a motivação vem de dentro, vem da sua vontade de mudar. O apoio externo é um complemento!
Aqui em casa esse apoio tem vindo do meu pai =)
Agora o que realmente me motiva durante os exercícios é a música! Eu sou viciada em música, tô sempre ouvindo alguma coisa, pensando ou cantando alguma coisa.. Mania típica da nossa geração! Por mais que os walkmans já fossem populares e acessíveis no final dos anos 80, duvido que houvesse tantos music-ads que nem hoje.
Voltando ao assunto, trouxe hoje uma parte da minha playlist de corrida e uma parte da de recuperação: pra quem tá começando aguentar correr meia hora, é ideal intercalar corrida com caminhada, por isso 1 tem músicas agitadas e a outra tem músicas mais tranquilas (não tão tranquilas, tem que manter o pulso!), ambas com 1h de duração. Pra correr e pra malhar eu gosto de ouvir rock e música eletrônica, foi naturalmente por onde eu comecei as listas. Quando eu entrar em "férias" semana que vem vou poder ampliar e variar mais no estilo. Hope you enjoy =]

RUNNING PLAYLIST I
1- Road Runner - Aerosmith
2- Red Alert - Basement Jaxx
3- Are You Gonna be my Girl - Jet
4- The Rockefeller Skank - Fatboy Slim
5- Do Your Thing - Basement Jaxx
6- Beating Hearts Baby - Head Automatica
7- Lucky Star - Basement Jaxx
8- Breathe - Prodigy
9- All my life - Foo Fighters
10- Firestarter - Prodigy
11- Invaders Must Die - Prodigy
12- Take it or leave it - Jet
13- Black Smoke - Prodigy
14- Right Round - Flo Rida
15- Pump it - Black Eyed Peas
16- Toxic - Britney Spears - é isso mesmo!!

CATCH YOUR BREATH PLAYLIST
1- Time to Pretend - MGMT
2- Strawberry Swing - Coldplay
3- Praise You - Fatboy Slim
4- Crazy Little Thing Called Love - Queen
5- Take Back The City - Snow Patrol
6- Short Skirt, Long Jacket - Cake
7- U Don't Know Me - Basement Jaxx
8- Don't Stop me Now - Queen
9- Viva La Vida - Coldplay
10- That's not my name - The Ting Tings
11- Addicted to Bass - Puretone
12- Under Pressure - Queen
13- I'm Gonna Leave You - Nina Simone
14- 1, 2, 3, 4 - Plain White T's
15- Please Just Take These Photos From my Hands - Snow Patrol
16- My Baby Just Cares for me - Nina Simone

Now chill out.... =]

P.S.: Intercale as listas mais ou menos de acordo com o tempo de corrida e descanso. Deixe um tempo maior pra dar aquele gás (e descontar o stress na esteira/pista) com uma sequência maior como as músicas em negrito.